quarta-feira, 21 de outubro de 2009

D'Olivino acerta nas massas

Cristiana CoutoVista do salão do D'Olivino

Recentemente vi comentários na blogosfera da dificuldade de se comer boas massas em São Paulo. Não sei se acho a coisa tão difícil assim - de qualquer forma, vou pelo caminho inverso. Outro dia, tive uma grata surpresa ao comer massas deliciosas no restaurante D'Olivino, que abriu há poucos meses nos Jardins.

A chegada foi meio conturbada - a casa não tem um lugar decente para a espera, exceto duas mesinhas no lado de fora (mas estava chovendo...). Senão, é preciso aguardar de pé, na entrada, ou em uma mesa no andar de cima, embora a brigada demore para oferecer essa possibilidade ao cliente. Mas valeu a pena. O cardápio tem acento mediterrâneo - com destaque para os azeites utilizados na preparação dos pratos. São massas, risotos, carnes, peixes e saladas que não pretendem levantar vôos criativos, que soam apetitosos e que têm bons preços - bem mais palatáveis que o dos azeites da importadora (de vinhos também), expostos no piso superior, e da qual surgiu posteriormente o restaraunte.

Mas voltemos às massas. Jantar com vários amigos te dá a chance de provar vários pratos - e foi o que eu fiz. E vieram, então, as boas surpresas. Todos eles, sem exceção, estavam muito bem executados: massas feitas na casa, de qualidade; frutos do mar no ponto certo; apresentação simples, mas muito bem cuidada, de todos os pratos. E sabores equilibrados. Nosso menu da noite:
Salada mediterrânea (folhas, tomate-cereja, mussarela de búfala, parma, manjericão e croûtons com ervas, R$ 18)
Salada creta (folhas, queijo feta, tomate cereja, azeitonas pretas, iogurte e pepino, R$ 14)
Filé de robalo e frutos do mar grelhado em azeite com risoto de cogumelos frescos (R$ 48) - no ponto
Risoto com camarões, arroz selvagem, aspargos e açafrão ao molho de ervas (R$ 46) - risoto al dente, corretíssimo
Casoncelli recheado com ricota de búfala e pecorino ao limão siciliano, molho de tomates e azeite com manjericão - com um toque cítrico na medida, perfeito (R$ 32)
Tagliatelle de tinta de lula, com camarão, polvo, lula (R$ 40) - o melhor da noite

E é essa a surpresa: um lugar que não tem chef badalado - o cozinheiro é André Castro -, que procura surpreender pela firmeza e cuidado na execução de pratos representativos da culinária da região e com ingredientes de qualidade. Para comer relaxadamente, e voltar outras vezes.

D'Olivino (rua Haddock Lobo, 1.159, Jardim Paulista, São Paulo, 11/3068.9797)

3 comentários:

André disse...

Cris, agradeço as palavras que publicou elogiando meu trabalho. Todo chef deve ser antes de tudo um cozinheiro, portanto, sua referência a minha pessoa como cozinheiro só enobrece a profissão que escolhi e tento executá-la com muito amor e dedicação. Sou formado em hospitalidade e gastronomia na Suécia e trabalho faz 12 anos com alimentos e bebidas.
Atenciosamente,
André Castro

Cris Couto disse...

Oi, André,
obrigada pela sua biografia. concordo com você - todo chef é, antes de tudo, cozinheiro. a ideia aqui é mostrar justamente que não é preciso ser famoso para fazer um bom trabalho.
abraço e boa sorte.

Alhos, Passas e Maçãs disse...

Obrigado pela citação.
Ainda não fui ao D'Olivino. Espero ir em breve.
Abraços!